Notícias: Ipardes aponta desenvolvimento de Tibagi

on 22/10/2010 - 17:06 797 reads Mais uma vez Tibagi apontou evolução no Índice Ipardes de Desenvolvimento Municipal (IPDM). A pesquisa mostra que o município subiu no ranking paranaense de desenvolvimento ao indicar melhoria na oferta de serviços públicos abordados pelo levantamento, especialmente na educação e saúde, entre 2002 e 2008. A nova atualização foi apresentada pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) nesta quinta-feira (21) e analisa o desempenho de gestão e ações públicas dos municípios paranaenses.

Em Tibagi, o índice geral, que agrega os três eixos, avançou 34% saltando de 0,47 pontos em 2002 para 0,63 pontos em 2008. A melhora se deve às inúmeras obras de infraestrutura e programas de desenvolvimento social implantados na cidade e no interior, segundo o prefeito Sinval Silva (PMDB). “A vida melhorou para todos os brasileiros e isso não é diferente em Tibagi. A população mais pobre, nestes últimos oito anos, subiu para a classe média porque passou a ganhar mais. Isto reflete em toda a economia e na qualidade de vida”, comenta.

Sinval conta que os investimentos que o município recebeu do governo do Estado e governo Federal somam aproximadamente R$ 193 milhões. “Só a pavimentação da Transbrasiliana movimentou R$ 120 milhões e gerou muitos empregos nesse período. Isso muda a realidade de um município, mas muitas outras conquistas foram obtidas na educação e na saúde também, de forma pontual”, destaca.

Saúde



O melhor desempenho de crescimento do Município é na Saúde. O índice de desenvolvimento no setor teve 51% de aumento em seis anos. Em 2002, Tibagi era classificada com 0,47 pontos e em 2008 alcançou 0,71.

“Quando assumi a primeira gestão, em 2005, propus um novo modelo de saúde pública em Tibagi, acabando com as filas e implantando o Programa Saúde da Família. Também unificamos o serviço do Estado com o Município, a exemplo da parceria existente no Hospital Luiza Borba Carneiro”, explica.

Sinval destaca que em cinco anos foram implantadas quatro equipes de Saúde da Família na cidade e no interior, abrangendo 75% da população. A última, anexa à estrutura do Posto de Saúde 18 de Março, tem capacidade para realizar até 640 atendimentos ao mês.

Educação



No setor da educação, o avanço foi significativo. Em 2002, o município amargava 0,46 pontos na pesquisa. A mais recente mostra que Tibagi está com 0,64 pontos – aumento de 39% na qualidade do serviço ofertado.

Para o secretário de Educação e Cultura, Antonio Teixeira, dois fatores contribuíram: “Estruturamos todas as escolas, com reformas no espaço físico, substituição dos utensílios, móveis e materiais didáticos, aquisição de novos ônibus escolares e oferta de merenda de qualidade. Além disso, nossos professores estão em constante formação, porque a qualificação permanente dos docentes é a melhor forma de obter resultados diretos no rendimento dos alunos”, avalia.
O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) confirma essa melhoria. Em 2005, a nota obtida pelo município foi de 3,9, mas, em 2009, as crianças conseguiram obter 4,8 pontos.

Emprego e renda

No item geração de emprego e renda, Tibagi saiu dos 0,5 pontos na tabela de desenvolvimento em 2005 e passou a 0,53 em 2008. A implantação da Agência do Trabalhador na cidade foi uma ação da gestão de Sinval Silva, em 2005. Desde então, as metas de colocação de pessoas no mercado de trabalho foram superadas mês a mês. “Estes dados são de 2008 e acredito que quando saírem os números referentes a este último ano, o índice vai mostrar um avanço muito maior, porque a empregabilidade aumentou com as qualificações gratuitas que estamos ofertando”, analisa Sinval.
As informações estão disponíveis no site (www.ipardes.gov.br).

Quadro



IPDM

O estudo foi desenvolvido por meio de acordo de cooperação técnica entre Ipardes e a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Nesta edição, houve importantes mudanças como nos intervalos de classificação, cujos valores são os mesmos utilizados pela Firjan: baixo (com nota de 0,1 a 0,4), médio baixo (0,41 a 0,6), médio (0,61 a 0,8) e alto (0,81 a 1).

O Ipardes desenvolveu o Índice levando em consideração especificidades do Paraná, como Valor Bruto da Produção Agropecuária e cortes mais detalhados na área de educação, incluindo o ensino médio e, nesta edição, com maior peso para a nota do IDEB. Na área de emprego e renda foi substituído o item número de empregos absolutos por índice de formalização do emprego formal em relação à população de 15 anos e mais de cada município. Devido às mudanças metodológicas, o Ipardes reviu toda a série histórica, desde 2002.


Texto: Emanoelle Wiesnievski
Imagens: Christian Camargo