Notícias: Tibagiano se prepara para Sul Americano de Canoagem

on 24/09/2010 - 10:37 1214 reads Ele foi campeão de todas as competições brasileiras de canoagem na categoria Júnior entre 2005 e 2008. Ficou com a terceira colocação em equipe no Pan Americano de 2007, em Foz do Iguaçu, e representou o Brasil por quatro anos com a Seleção Olímpica em vários eventos mundiais do esporte.



Agora, aos 20 anos, depois de um ano longe das pistas, Ricardo Martins Taques voltou ao pódio com o primeiro lugar na Copa Brasil de Canoagem Slalom em Pirajú (SP), realizada dos dias 17 a 19 de setembro. O ouro trouxe gostinho de quero mais e o campeão já se prepara para o Campeonato Sul Americano que acontece nos dias 8 e 9 de outubro na cidade de Aluminé, na Argentina.


Em Piraju, 1º lugar individual e 3º equipe

Ricardo é tibagiano e iniciou no esporte aos 11 anos, na escolinha montada na cidade pela Confederação Brasileira de Canoagem quando a Seleção Brasileira escolheu o Rio Tibagi para treinar. “Agora estou tentando conseguir patrocínio para ir à Argentina”, conta o ainda jovem mas muito experiente atleta. Outra meta, para janeiro do ano que vem, é representar o município e o país no Pan Americano que será no México.



Na Argentina, o canoísta é favorito na categoria K1 Sênior e para não decepcionar a torcida, intensificou os treinos. “Cerca de duas horas por dia no rio e mais três vezes por semana na academia, para conseguir mais resistência física”, conta. “Vai reunir os melhores da América do Sul inteira. O Chile é forte, a Argentina tem uns competidores bons, que estão começando a crescer, mas o Brasil ainda é favorito para a prova”, salienta. “Tenho boas chances porque venho desse campeonato em Pirajú, que reuniu os melhores atletas do Brasil, e eu me saí bem, ganhei. Isso dá mais confiança ainda para chegar lá e ganhar”, torce.


Treinando no Rio Tibagi

Entre os títulos mais importantes nestes oito anos de remo, Ricardo destaca os campeonatos Brasil afora quando competia na categoria Júnior, entre 2005 e 2008. “Em 2009 passei para a Sênior, mas não competi, fiquei parado”, indica. Neste ano, foi segundo colocado individual e primeiro por equipe na 3a Etapa da Copa Brasil de Canoagem em Cerquilho (SP) no mês de junho. “Um momento marcante foi agora essa vitória em Pirajú, por eu não estar treinando há muito tempo”.

Viagens pelo mundo


Campeonato Sul-Americano de canoagem Slalom 09 à 11 de 2007

Ricardo se mantem no, e através do, esporte desde o início. “Quando remava com a Confederação Brasileira, fazia parte da equipe Olímpica, entre 2004 e 2008, e recebia subsídio. Foi quando conheci o Brasil praticamente inteiro, de Norte a Sul, e participei em 2006 do Mundial Júnior em Solkan, na Eslovênia”, relata.


Campeonato Sul-Americano de canoagem Slalom 09 à 11 de 2007

No mesmo ano, o atleta ficou um mês na Europa treinando e participou do Mundial Sênior na República Tcheca. “Como eu era o primeiro colocado sempre na categoria Júnior, era um dos três melhores brasileiros, participava de algumas competições na Sênior também”, explica. Em 2008, integrou Seletiva Olímpica em Charlotte, nos Estados Unidos.


Em Piraju

A Seleção Brasileira não tem mais um centro fixo de treinamento. Cada atleta treina nos clubes de suas cidades e se reúne somente nas competições. Foi aí que Ricardo deixou a equipe, mas continuou sobre o caiaque. “A canoagem é uma boa parte da minha vida. A maioria das lembranças que tenho é de canoagem. As viagens, o Brasil, Europa, Estados Unidos. Lá fazia menos três graus e mesmo assim a gente caía na água”, relembra.

Profissão


Com a mãe Neuza

Hoje o campeão concorre isoladamente e divide o tempo de treinos com o trabalho como guia de rafting de uma empresa de esportes de aventura para turistas em Tibagi. “Pretendo continuar nessa atividade como profissional. Se um dia eu parar, quero ser técnico e sempre ficar nesse ramo”, informa. Para quem está começando, Ricardo tem sugestões: “é preciso ter disciplina, força de vontade, técnica, ter a cabeça no lugar, nada de bebedeira, levar uma vida bem saudável, de atleta”.


Pan Americano de 2007, 1º lugar equipe

Além da torcida para que traga mais uma medalha à sua galeria, os tibagianos também fazem coro para providenciar o auxílio necessário: cerca de R$ 2 mil que custeariam a viagem à Argentina. O atual treinador da escolinha de canoagem de Tibagi, mantida pela Secretaria Municipal de Esportes, José Maciel da Silva, ressalta o desejo de que o atleta consiga patrocínio. “Ele é de uma 'safra' de competidores que saíram de Tibagi e percorreram o país e outros países representando nossa cidade. É com certeza um destaque nacional na sua prática esportiva e merece reconhecimento”.


Texto: Emanoelle Wisnievski
Imagens: Christian Camargo, Divulgação e Michel Alves WMF