Notícias: 107 anos das Cavalhadas em Tibagi

on 28/03/2014 - 11:43 1407 reads ACONTECEU!
107 anos das Cavalhadas em Tibagi



Em tempos atuais, os encontros entre amigos para cavalgadas ainda é comum em Tibagi. Há mais de 100 anos, acontecia na cidade um espetáculo conhecido como cavalhadas, que simbolizou as batalhas medievais. O Museu Histórico Desembargador Edmundo Mercer Junior juntamente com a Assessoria de Comunicação da prefeitura, através da coluna de fatos históricos, Aconteceu!, buscou em seu acervo as informações sobre este evento.




Há poucos dias, foi entregue a revitalização da Praça Edmundo Mercer, que se tornou ponto de encontro das famílias tibagianas. Há mais de 100 anos, em 1907, o mesmo local foi palco de uma encenação que remetia aos tempos medievais. Acontecia o empolgante espetáculo das cavalhadas, tendo como componentes os mais hábeis cavaleiros da época. As cavalhadas simbolizavam a guerra entre cristãos e mouros, os cavaleiros dos dois grupos, com seus cavalos muitos bem aparados e ornamentados, de lança em punho, em épicos lances tiravam na ponta das mesmas as prendas que eram colocadas em lugares estratégicos e as ofereciam as suas damas preferidas. Vencia o grupo que mais prendas conseguia.



Amantino Barbosa de Macedo sentado com sua Irmã Veridiana Barbosa de Macedo


Em uma das encenações, da qual se tem registro, o grupo dos cristãos tinha como “rei cristão” Amantino Barbosa de Macedo Sobrinho e o grupo dos mouros tinha como “rei mouro” José Thimóteo de Sá Bittencourt. Cada grupo compunha-se de nove a doze cavaleiros e contava com um mantenedor, um embargador, um corta-fila e um servo, todos personagens com grande relevância para o desenrolar da disputa. Este espetáculo atraia o povo tibagiano na praça da matriz, despertando a curiosidade do público e a torcida pelas equipes participantes.



José Thimoteo de Sa Bittencourt


Cavalhadas é uma celebração portuguesa tradicional que teve origem nos torneios medievais, onde os aristocratas exibiam em espetáculos públicos a sua destreza e valentia, e frequentemente envolvia temas do período da Reconquista. Era um "torneio que servia como exercício militar nos intervalos das guerras e onde nobres e guerreiros cultivavam a praxe da galantaria"




Nas cavalhadas as alcanzias, bolas de barro ocas cheias de flores e cinzas, eram jogadas no campo de batalha. As cavalhadas recriam os torneios medievais e as batalhas entre cristãos e mouros, algumas vezes com enredo baseado no livro Carlos Magno e Os Doze Pares da França, uma coletânea de histórias fantásticas sobre esse rei. No Brasil, registram-se desde o século XVII e as cavalhadas acontecem durante a Festa do Divino, nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil.




Aconteceu!

Para valorizar o acervo do Museu e divulgar os acontecimentos que fizeram história em Tibagi, toda semana o diretor Neri Assunção, em parceria com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, desenvolve textos que relatam fatos marcantes na coluna Aconteceu!, no site (www.tibagi.pr.gov.br).

O Museu Histórico oferece trabalhos desenvolvidos em pesquisas e exposições temporárias. Permanece aberto de terça à sexta-feira das 8 horas às 11h30 e das 13 horas às 17h30. Sábados e domingos, a visitação pode ser feita das 9 horas às 11h30 e das 13h30 às 17 horas. Para agendamento, o telefone é (42) 3916-2189. A entrada é franca.


Texto: Assessoria de Comunicação e Nery Aparecido de Assunção
Pesquisa: Nery Aparecido de Assunção
Fonte: Historia de Tibagi – Luiz Leopoldo Mercer/Edmundo Alberto Mercer e http://pt.wikipedia.org/wiki
Acervo: Museu Histórico